9.3.08

Simples viajeiro






Suave caminhada
Sem saber para onde
Por assim dizer…

Não o assusto nem mexo
pertence-lhe a pureza do olhar
Então persistente, desliza só
Surdo de pressas
Erguido nos seus domínios


Seguindo-lhe o rastro
Que atravessa o real
E sobrevoa a luz
Posso ouvir o som
Que rompe a vida antiga
Pela húmida parede saturada
que respira um cúmplice instante

Fecha-se o céu de sentinela sobre nós
Perseguidos íamos

Por trilhar espera-nos o destino
Pela linha traçada laminar e firme
Fazendo-se tarde, afasto-me

Não dispenso agasalho
Enquanto ele arrasta-se no limiar severo

Etiquetas: ,

46 Comments:

Blogger irneh said...

Constrastando com a suave caminhada
Deste simples e belo viajeiro
Arrastamo-nos num caminho sinuoso
Deste mundo complexo e traiçoeiro...
Não entre cores suaves matizadas
Entre brancos e azuis libertadores
Mas entre cores de um negro opressor
Que nós faz gemer de tantas dores...

Beijinhos e bom Domingo...

10:20 da manhã  
Blogger LNeves said...

´caracois no prato é mt bom... lololo

***MUAH***

12:20 da tarde  
Blogger Martinha said...

escreves maravilhosamente bem :D
adoro *

3:14 da tarde  
Blogger ayshynek said...

Adorei a fotografia, está fantastica, desde o enquadramento às cores ficou girissima... Bom trabalho... :)

3:42 da tarde  
Blogger Quando o Fogo e o Gelo se encontram said...

és mesmo tu quem escreve estes poemas?
bjs

4:00 da tarde  
Blogger Shelyak said...

Sempre boas estas visitas...
Beijinho

8:21 da tarde  
Blogger Gi said...

Fiz uma viagem , lenta, suave , arrastada mas muito agradável no meio das tuas palavras.

As minhas visitas são cada vez mais espaçadas , ausências forçadas com muita pena minha.

Deixo-te um beijinho e votos de boa semana

8:55 da tarde  
Blogger Goddess Night said...

Percorremos tanto caminho, numa correria diária...! Ao ler este teu poema abrandei, apreciei, bem como visualizei "o passo de caracol".
Aqui está uma ideia original:).

Cheguei finalmente, para conhecer o teu espaço.
Gostei e voltarei.

Beijo e boa semana

10:31 da tarde  
Blogger eu said...

Era bom se conseguíssemos abrandar também...
Belo poema.

Um abraço

11:37 da tarde  
Blogger (Un)Hapiness said...

pk a vida deve ser vivida com calma, lentamente...dando valor aos promenores q nos aparecem, por mais pequeninos q sejam...nem sempre é fácil..será mais fácil calcá-los, mas talvez o desafio esteja msm aí...

boa escolha de imagem
e claro, poema mt bem escrito :)

bjo

11:55 da tarde  
Blogger Noivo said...

já devo ter dito mas volta a dizer: adoro o que escreves!

12:03 da manhã  
Blogger MARIA MERCEDES said...

Um dos casos bem sucedidos de obtenção de casa própria, sem necessidade de empréstimo bancário. (risos)

retenho ainda dos tempos de infância, a ladaínha do "caracol, caracol, com os pauzinhos ao sol".

beijinhos

3:10 da tarde  
Blogger Siala ap Maeve said...

Sempre gostei dos caracois...magnifica foto e palavras!!
Beijos meus

6:05 da tarde  
Blogger Plum said...

Suave deslizar***

6:06 da tarde  
Blogger Edna Loureiro said...

E eu a pensar que so eu é qe tinbha pensamentos daqueles :)
Ainda bem que gostas te (:
Beijo!

7:57 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

En-caracolando rumo...

E palavras a prumo...

10:59 da tarde  
Blogger gabriela r martins said...

venho barafustar.... já que andamos em marés de indignação!!!!

que se passa com esta porcaria da blogger que há três dias que não consigo publicar um única imagem?

tu consegues?

vou entrar em furite aguda
vou ficar raivosa
vou bufar feita touro enraivecido !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

que m----!


e agora que já desabafei ,vou manifestar.me noutra freguesia



.
um beijo

12:15 da manhã  
Blogger nuvem said...

Como é possível escrever algo tão belo sobre um caracol... :) Gostei mesmo muito.

(E confesso que também adoro caracóis!)

Beijos

12:47 da manhã  
Blogger Dalaila said...

e devegar soleitrei todas as tuas letras e encolhim-me na minha casa que vai comigo

11:41 da manhã  
Blogger Luis Beirão said...

...tivéssemos nós a paciência de caminhar (devagar mas persistentemente) como ele...

12:15 da tarde  
Blogger @zulebranco said...

A Força das palavras em ti,
a visão,a ideia arquitectada onde a escrita está ao serviço dos sentires.....onde os lugares comuns têm alma....Poema muito bem coseguido.
Sorriso grande

3:13 da tarde  
Blogger A. said...

...dança em forma de procura.a sua.








agradecimento profundo.e meu.

até muito breve.

Ana.
*

4:09 da tarde  
Blogger Bichinho said...

A Natureza que somos e temos...beijo fantasma.

5:41 da tarde  
Blogger Rain said...

olá, depois de tanto tempo resolvi voltar a escrever, espero que passes lá quando puderes.

(O enigmático caminho da natureza expresso de uma forma tão subtil... e sã. gostei)

6:57 da tarde  
Blogger RC said...

Caracol? Coroacol? Uma questão de sorte.

Xi.

5:37 da tarde  
Blogger Ela said...

Lindo sempre essa concha.



De palavras.


que nos trazes.

em forma.


de [contor.]Nus.



Beijo.

11:54 da tarde  
Blogger Corvo Negro said...

Sempre que desejo... adormeço.
Adormeço-me... sempre que dou por mim.

1:00 da manhã  
Blogger bono_poetry said...

e quis viajar e fui...a minha necessidade de o fazer...calmo e sequioso dos perigos e da esperanca..o caminho esta feito!!

2:15 da manhã  
Blogger melgadoporto said...

Confesso que vir aqui é um desafio.
Comentar é coisa que não gosto.
Cada escrito, nunca o é por si mesmo.
Por isso prefiro trazê-los até ao meu “mundo”.
“Respirá-los” longamente e pensar.
Aqui não consigo fazer essa caminhada.
Talvez porque seja “caracol”… :)

12:58 da tarde  
Blogger Sniqper ® said...

Caminhando, vamos vivendo, uns dias com sol, outros cinzentos, mas no fundo caminhar é o nosso destino, desistir é o nosso pior desatino...

2:16 da tarde  
Blogger Paradoxo said...

muito bom mesmo!!
parabéns!!

beijão

4:30 da tarde  
Blogger Maria José said...

O caminheiro que obedece ao se ritmo, cruzando espaços vedados ao apressado viajante.

10:06 da tarde  
Blogger gabriela r martins said...

e devagar
muito devagar


se chega longe


.
um beijo

11:18 da tarde  
Blogger mariazinha said...

e eu que não gostava muito de caracóis... de repente, olho-os com outro olhar: o teu.

beijo*

11:32 da tarde  
Blogger jumpman said...

Um trilho a um tempo único.

Arrastando-se simplesmente ao sabor do seu desejo.

11:35 da tarde  
Blogger Vera Carvalho said...

Magistral a tua escrita!
A cada passo... a cada sopro...um prodígio no tempo.

12:01 da manhã  
Blogger anad said...

Que belos poemas e que imagens sugestivas, simples e belas.
Vou voltar mais vezes
Obrigada
Anad

1:11 da manhã  
Blogger Dark-me said...

Lindo o teu post!!

Quem me dera ser caracol...sempre nas calmas, sem stress, sem o prob do tempo! Q coisa! :))

Dark kiss

10:46 da manhã  
Blogger su said...

A calma também agasalha a alma contra as maiores adversidades da passagem do Tempo...em seu sereno labutar pela/ e na Vida.

:))

Lindo.

11:21 da manhã  
Blogger Maria Laura said...

Pudessemos nós, de vez em quando, ter essa placidez simples viajeiro!
Foto linda. Poema excelente.

12:54 da tarde  
Blogger Dhyana said...

interessantes...
bj

6:48 da tarde  
Blogger Paradoxo said...

obrigado! agora também ja fazes parte dele. beijinhos

7:24 da tarde  
Blogger Carol Barcellos said...

Que lindo!!! Sempre achei o caracol um animalzinho lindo, mas não fuic apaz de escrever algo sobre ele, fiquei feliz de ter encontrado aqui!!! Parabéns pelo poema tão singelo, sensível e profundo, sobre a por vezes lenta caminhada da vida...

Beijos doces cristalizados!!! :o*

2:42 da manhã  
Blogger AURORA ( LOLA ) said...

OI, desculpe a minha ausência mas por motivos de trabalho não pude vir aqui mas estou de volta, bjs

10:01 da tarde  
Blogger SentidoS said...

paralisante o modo como bordas as letras na forma do olhar...

7:37 da tarde  
Blogger RC said...

Põe os pauzinhos ao sol?

Xi.

1:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home