6.4.08

Breve retorno






Parecido com o cheiro da melancolia
Que pairava
Tive a saudade daquele passado vivido
Quando ainda nos espera por trilhar o destino

Regressar às lembranças
era vertiginoso
como as correrias desenfreadas
e antigas de outrora

lembrei-me que vivia satisfeita
e ainda hoje
guardo pelo avesso
nítidas as tonalidades que tingem
as vestem de pequenos momentos pardacentos

o sorriso guardo-o verdadeiro
e cúmplice como o instante
em olhos de menina
a cada breve retorno

Etiquetas: ,

33 Comments:

Blogger Chris said...

:) é uma altura da vida que nunca esqueceremos... As traquinices, as brincadeiras...
:')

Beijinho Grande

11:47 da manhã  
Blogger blue said...

Mais uma vez os meus parabéns, consegues captar a magia perdida e levar-nos de novo ás memórias de infância.

Um grande beijinho.

ps - Adoro a 1ª música.

12:35 da tarde  
Blogger ETÊS TUGAS ® said...

Memórias de infância coloridas pelas cores e velocidade da inocência genuína.

2:59 da tarde  
Blogger Sniqper ® said...

Uma viagem no passado, onde recordações presentes nos abrem a porta para estradas futuras...
Gostei, beijitos.

5:54 da tarde  
Blogger Nuno de Sousa said...

Belas imagens por este belo cantinho, desde já os meus parabéns por tão belos trabalho.
Quero também desejar sucesso na tua exposição em Cascais onde tentarei aparecer para aprecias as belas fotos que tem ao vivo e a cores :-)
Parabéns e cumprimentos,
Nuno de Sousa
fotogenico.net

6:16 da tarde  
Blogger Alma Nova said...

Viagens pelas memórias tão marcadas...de sons, cores e aromas...que nos encaminham para os rumos do hoje.

10:13 da tarde  
Blogger nuvem said...

Doce e ao mesmo tempo melancólico...

Belíssimo.

Beijos

10:54 da tarde  
Blogger Ela said...

Lindo.



Muito.
As tuas memórias.E o teu contorno tão próprio.




Beijo.Boa semana.

1:14 da manhã  
Blogger mnemosyne said...

Palavras de extrema sensibilidade que se passeiam pelos recantos das memórias.

Beijo

8:25 da manhã  
Blogger Dama de Cinzas said...

Obrigada por sua visita em meu blog!

Beijos

12:11 da tarde  
Blogger Paradoxo said...

Um recuo que contorna as origens de um momento de tempo muito bonito!
Poema elevado!

Bjos

12:49 da tarde  
Blogger lampâda mervelha said...

Lembro-me de olhar pelas grandes janelas da sala, na altura em que o Verão já despertava o sentido para o dias quase intermináveis...

O perfume resinoso dos pinheiros, a leve e cálida aragem magnetizavam-me toda a atenção. Bolas, como eu queria que chegassem as quatro da tarde e espalhar-me por todo o campo...

E tanto que me espalhei pela terra.. e continuo..

Lembrei-me ao ler-te. Obrigado.

1:05 da tarde  
Blogger Dalaila said...

e vive em mim, nos sorrisos

2:43 da tarde  
Blogger Dalaila said...

e vive me mim nos sorrisos

2:44 da tarde  
Blogger gabriela r martins said...

vestida de melancolia
despida de infância

memórias

retratos


revisitadas/os

reflexos de nós para nós

agrada.me


.
um beijo

3:57 da tarde  
Blogger (Un)Hapiness said...

como é bom relembrar o passado..desde q de forma saudável, ou seja, o passado n passa disso mesmo, do passado e, nesse sentido, n deve nunca ser visto com um olhar de quem quer voltar...seja pa reparar, seja para voltar a viver o passado...

6:11 da tarde  
Blogger lamia said...

Retornos inevitavelmente eternos.

5:38 da tarde  
Blogger Falando de Amor said...

Passando pelo teu cantinho e me deliciando com tuas lindas postagens...bjos poetisa!

5:42 da tarde  
Blogger Plum said...

A eterna criança que faz parte da nossa essência!***

8:48 da tarde  
Blogger Maria said...

Excelente retorno, tão breve.....
Obrigada

12:19 da manhã  
Blogger beautiful said...

Poeta no pensamento, poeta na escrita.
Mas que sensibilidade!
Simplesmente deliciada, eu, por te ler …
:)
Um bem-haja a Ti .
*

2:44 da tarde  
Blogger NM said...

Muito bom post.
Adorei imenso. Um beijinho grande.

http://krigsmjod.blogspot.com

5:51 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

gira

imparável

e multicolor

o carrosel

da memória

7:34 da tarde  
Blogger isabel mendes ferreira said...

não imaginava. de todo.



que gostasses.


obrigada.


"infância"....

_______________________:!!!

9:46 da tarde  
Blogger Goddess Night said...

E essas ternas memórias afagam-nos de nostalgias, sempre tão doces e puras, que nos deixam transparentes, tão somente nós.

Muito bonito o poema.
Um beijo agradecido por esta viajem:).

12:00 da manhã  
Blogger Maria said...

a nossa base, a nossa essência, quando ainda estávamos concentrados e puros..
gostei, também, muito de te ler ;)

2:57 da tarde  
Blogger gabriela r martins said...

porquê tanto silêncio

em desassossego?



.
um beijo

6:21 da tarde  
Blogger Maria José said...

Momentos e espaços únicos de aromas e vivências. Às vezes perdemo-nos nelas. Outras encontramo-nos sem perceber.

9:12 da tarde  
Blogger AURORA ( LOLA ) said...

o sorriso guardo-o verdadeiro
e cúmplice como o instante
em olhos de menina
a cada breve retorno




Hum... bem que as vezes queria voltar a ser criança não teria tantas dores de cabeça com o trabalho com as despesas com tanta coisa mas o principal teria a minha mãe de novo comigo como tenho saudades.




bjs

2:37 da manhã  
Blogger Spectrum said...

Boas memórias parece-me. pena o tempo ir-se escoando lenta mas inexoravelmente.
Um beijo

5:19 da tarde  
Blogger Micas said...

Por momentos voei...bom, muito bom...
Grata.
Beijinho e bom fds

10:24 da tarde  
Blogger irneh said...

Um retorno aos momentos de infância. É bom recordar, mesmo que com uma certa nostalgia.

Beijinhos

10:37 da tarde  
Blogger Vanda C. said...

Os cavalos de pau da minha infância estão aqui no Alentejo, mas podiam estar a cavalgar no mundo, em qualquer lugar. os nossos cavalos de pau da nossa infância poderiam ter vindo de qualquer lugar, voltam sempre ao mesmo lugar, aquele que está a dormir no quarto crescente da lembrança.
lindo, fantástico blog. obrigada pelo convite. serei visita da casa. convido-te a visitar os meus...beijos.

5:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home