8.9.07

Encostado ao silêncio



Onde se escapa
a minha presença…

Rompem interstícios
rasurando o tempo

Numa tristeza estéril
a sombra escorre displicente
pelos ressequidos veios,
enquanto o sol enamorado
se demora.

Os olhos entreabem
o recôndido enigma
resvalado
no cair de tantas tardes





Etiquetas: ,

12 Comments:

Anonymous Anónimo said...

transmite-se tanta coisa no silêncio, nessas formas abandonadas à luz concêntrica dos teus olhos,
João*

7:38 da tarde  
Blogger irneh said...

O conjunto imagem/poema é excelente. Gostei.


Beijinhos

12:06 da manhã  
Blogger NETMITO said...

LINDO COM SEMPRE!


BOM DOMINGO.
BJS*

1:19 da tarde  
Blogger Maria said...

São bonitas as tuas palavras, e com estas fotos o conjunto fica excelente...

Beijo

1:22 da manhã  
Blogger Vera Carvalho said...

Nesse intervalo tudo se insinua por detrás do silêncio. Eu ouvi os murmúrios :).
Extasiada como habitual!

11:33 da manhã  
Blogger O Silencio said...

simplesmente adorei o teu blog

6:40 da tarde  
Blogger Um Momento said...

Belas Fotos
Sentidas palavras
Parabéns
Deixo um beijo
(*)

8:37 da tarde  
Blogger Som Do Silêncio said...

Em silêncio cheguei
O teu texto devorei
Saí daqui leve como uma pluma
levada por tão bela escrita

um beijo silencioso e sereno

12:05 da manhã  
Blogger João Filipe Ferreira said...

linda poesia:)

e bonito blog:) adoreii:)

2:10 da manhã  
Anonymous luso-poemas said...

venha participar em www.luso-poemas.net

beijinhossss

2:10 da manhã  
Blogger Obscuridade Translúcida said...

Um silêncio inspirador...

10:06 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

Magnífica conjunção entre as imagens e as palavras. Jogos de luz e sombra. Texturas de afecto.

12:20 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home