19.7.07

onde pende o esquecimento


Consente o vulto
emergindo do tempo
onde se funda a dissonância
que na cal se exime
...espectral

No debrum da claridade
erma ou ritual
resvala em queda

como num trapézio
implacavelmente
à escuta
enquanto se esfria
no crescimento da noite
pende o esquecimento
do tempo ceifado

Etiquetas:

14 Comments:

Blogger Som Do Silêncio said...

Tempo...

Esse "monstro" esfomeado que implacável ceifa as nossas vidas.

Um Beijo Silêncioso

12:37 da manhã  
Blogger Som Do Silêncio said...

Olá minha querida,

Tens uma Banana lá no meu cantinho...

Uma Beijoka

9:48 da tarde  
Blogger Shelyak said...

Foi bom "conhecer-te", por aqui, claro...:) my first time around...
Linda música...
Beijinho

11:05 da tarde  
Blogger Anuska said...

Wonderful piece of words. Kiss

9:51 da tarde  
Blogger Plum said...

:)***

5:57 da tarde  
Blogger A.S. said...

Podem ceifar o tempo, podem os sonhos resvalar em queda... mas depende de ti a duração do interminável!


Um beijo...

6:43 da tarde  
Blogger Solitária said...

ღ Passei apenas para deixar um beijo e desejar uma boa semana..ღ

8:31 da tarde  
Blogger Solitária said...

Já agora ouvi dizer que é dia de aniversario... Parabens!!
Beijinhos

8:38 da tarde  
Blogger Um Momento... said...

Hum...
Do Cantinho da Som venho
Para te desejar um Feliz Aniversário
Que hoje seja o 1ª dia de todos os da tua vida , em que os teus desejos sejam realizados, cheios de Saúde e tudo o que mais desejares, em todos eles
Um beijo de PARABÈNS!!!!

Noite Feliz (*)

10:12 da tarde  
Blogger nImpossiblePrince said...

Um lindo poema, parabéns!!1 Já que fizeste ano pelas mensagens anteriores, venho tarde, mas desejo-te tudo de bom!!!********

2:18 da manhã  
Blogger Lu@r said...

Tempo que ceifa a vida.
Limito-me a viver o resto dos meus dias.

Beijo Nocturno

9:44 da manhã  
Blogger lupussignatus said...

Pelas sombras e pela luz; pela forma e pelo conteúdo, estou surpreendido pela qualidade deste espaço.

Ah!, o poema parece filigrana; lê-se e relê-se, e acha-se sempre mais um sentido...

Obrigado.

11:31 da manhã  
Blogger cusca said...

Agradeço-te a visita ao "coscuvilhices" pq só assim tive oportunidade de conhecer este blog, que é de uma serenidade incrivel.
Gostei de como "contornas" as palavras , transformando-as nesses poemas intensos :)

jokas

2:13 da tarde  
Anonymous aiphos said...

Secam-se-me as palavras no inevitável encontro de outras novas. Com novas sombras. Novas líricas. Novo sabor.
Secam-se-me as lágrimas no encontro de uma nova linguística.
Lágrimas que não chorei, tempo que agarrei enquanto escasseia o infindável.
A sensibilidade mora aqui. E em casa portuguesa com certeza!
Tirar-me-ei a fome dos dias por escrever. E render-me-ei à evidência de um encontro feliz. Aqui.
Continua com a poesia na boca e na periferia da saudade de um ontem que já passou, e na curiosidade de um eterno amanhã por vir...

3:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home