2.3.07

Encontro











Flutuo no teu doce murmurar
cristalinos
inquietos,
ondulantes reflexos de luz
bebo essa imensa calma
que embala os minutos naufragados
enquanto o tempo me percorre os cabelos soltos ao vento

Vagueio fora do trilho
e aceito o vertiginoso convite para te alcançar.
Perco-me contigo.

No silêncio dos passos
devolves um olhar curioso

avesso à tua vontade
será que ainda me reconheces?
Sou eu...
Esqueces-te de mim na graciosidade do gesto
enquanto me fintas o olhar.

Num secreto adeus
de um domingo perfeito
que se afasta
aceita como breve a despedida

Encontro-me aqui
sem lugar nem espaço.

3 Comments:

Anonymous Jofre Alves said...

A mais fina sensibilidade poética, intensa e imensa, eu que noutros tempos também garatujei uns versos, sem a qualidade destes, claro. Aqui de braço dado com a fotografia, tudo da mais fina beleza. Óptimo fim-de-semana.

3:25 da manhã  
Blogger Plum said...

Lindíssimo!Não preciso dizer mais nada!*

4:51 da tarde  
Anonymous Pedra da Lua said...

Delicioso poema. LEr algo assim ajudanos a elevar a alma para além do ser...

9:47 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home